Dicas para relaxar na agitada cidade de São Paulo!

postal sao paulo

Olá, pessoal! Hoje irei descrever um pouco da semaninha que passei curtindo o inverno na cidade de São Paulo. Escolhi descansar nessa agitada metrópole, desta vez com um foco diferenciado das minhas outras passagens pela capital paulista. Neste post apresentarei os restaurantes e bares que conheci, as opções de lazer que escolhi e meus locais favoritos de compras, além de umas dicas de deslocamento pela cidade.

Quem me abrigou desta vez foi a minha amiga japa, Fabi Ferragut, que está há poucos meses em “Sampa”! Recebi um tratamento VIP, além de ter a oportunidade de ficar em uma área super bem localizada que é o bairro Vila Olímpia, próximo aos shoppings Vila Olímpia (01) e JK Iguatemi(02), e ao metrô Vila Olímpia (Linha Esmeralda). É um bairro nobre da Zona Sul, repleto de edifícios empresariais, situado no distrito do Itaim Bibi. Essa posição estratégica facilitou bastante meu deslocamento, feito, basicamente, por trem/metrô, bicicleta Itaú e Uber.

O município de São Paulo está subdividido administrativamente em 31 subprefeituras, as quais, por sua vez, subdividem-se em distritos. Resolvi colocar esse mapa das subprefeituras para mostrar a grandiosidade dessa metrópole e para dar uma maior noção de localização. Em uma semana de muito bater perna, só circulei por duas subprefeituras: Pinheiros e Sé. Abaixo mostro ainda os distritos dessas duas regiões, destacando aqueles por onde passei. Esses últimos serão detalhados nos mapas ao final do post.

Mapa das subprefeituras de São Paulo, destacando as de Pinheiros e Sé, por onde andei

COMES E BEBES

Eu costumo dizer para os meus amigos que o principal sinal de que estou ficando velha é o fato de investir boa parte do orçamento das minhas viagens em restaurantes. Antes era na comida que eu economizava, cozinhando nos hostels e comendo em fast foods. Não me arrependo, pois fazia parte das minhas aventuras de mochileira! Mas hoje a fase é outra e aprendi a valorizar uma boa comida, procurando sempre conhecer a culinária local e pratos que não encontro com tanta facilidade em Maceió. Porém, não estou tão velha assim! Sempre reservo uma parte da viagem para me divertir em barzinhos e em baladas (apesar de que esta parte está ficando cada vez menor!).

Posso indicar tranquilamente todos os restaurantes e bares que frequentei, pois todos me agradaram muito! Graças às indicações das minhas amigas que moram ou já moraram em São Paulo! Vale a pena anotar e conferir quando tiverem a oportunidade de visitar a cidade. Foram eles:

  • Eataly (03) – um mercado com diversos produtos italianos e locais, com uma praça de alimentação com 13 restaurantes. Escolhemos o restaurante La Pasta, com deliciosas massas artesanais, incluindo pizzas, além de saladas. Os preços são meio salgadinhos, mas no almoço eles oferecem uns menus com desconto, que inclui a sobremesa e fica com um valor mais acessível. Vale muito a pena conhecer o lugar e provar a deliciosa comida. Para quem curte vinho, também é uma ótima opção. End: Av. Pres.Juscelino Kubitschek, 1489.

Eataly Brazil - um mercado requintado com produtos italianos e locais e uma maravilhosa área de alimentação

Eataly Brazil – um mercado requintado com produtos italianos e locais e uma maravilhosa área de alimentação

Almoço no restaurante La Pasta no Eataly
Almoço no restaurante La Pasta no Eataly
  • Restaurante Suzuran (04)– restaurante japonês no bairro da Liberdade, indicado pela Fabi. Ele é bem simples, mas com um cardápio variado, comida boa e preço justo. O rodízio custou R$53,00, já com a taxa de serviço! Ele fica nos fundos de uma galeria que tem uma loteria na entrada. End: Rua da Gloria,234 – Liberdade.

Rodízio de comida japonesa no bairro da Liberdade

Rodízio de comida japonesa no bairro da Liberdade

  • Sonheria Duca (05)– um lugar literalmente dos sonhos que fica em uma das transversais da Oscar Freire. É um local super fofo especializado em sonhos (os doces). Confesso não ser muito fã de doces, mas o sonho tradicional que provei estava divino! End.: R. Bela Cintra, 2023 – Jardins.

Sonheria - literalmente uma fábrica de sonhos!

Sonheria – literalmente uma fábrica de sonhos!

  • Burger Joint (06) – uma franquia americana do ator Bruno Gagliasso. Minha amiga pediu um cheese Burger e sinceramente, achei pequeno e nada demais, em São Paulo tem hamburguerias bem melhores! Não comi, pois tinha jantar marcado com outras amigas. End.: R. Bela Cintra, 2116 – Jardins.

Burger Joint, franquia nova-iorquina de hambúrgueres aberta no bairro Jardins pelo ator Bruno Gagliasso

Burger Joint, franquia nova-iorquina de hambúrgueres aberta no bairro Jardins pelo ator Bruno Gagliasso

  • Restaurante Museo Verónica (07)– lugar pequeno, casual e aconchegante com culinária espanhola. Pedimos uns croquetes de jamon (presunto) de entrada e escolhemos três pratos principais: arroz com lula, frango e camarão; almôndegas de carne com lulas e com molho de tinta de lula; e rabo de boi envolto em uma massa folhada com purê de batatas. Todos deliciosos e o valor de cada um foi R$32,00. Provei a cerveja espanhola 1906 (R$9,00 a long neck), muito boa por sinal, e as meninas tomaram vinho tinto. Ao final, ficamos surpresas com o valor da conta, que ficou R$43,00 para cada (éramos 4). Portanto um restaurante com um ótimo custo beneficio! End.: Rua Tuim, 370 – Moema.

Jantar no restaurante Museu Verônica

Jantar no restaurante Museo Verónica

Acertamos em cheio em nosso pedido! Pratos deliciosos do restaurante Museu Verônica!
Acertamos em cheio em nosso pedido! Pratos deliciosos do restaurante Museu Verônica!
  • Bar do Mané (08)– fica no térreo do Mercado Municipal, em meio às barracas de frutas. Escolhi um lanche nada light: pastel de camarão (R$18,00), sanduíche de mortadela com queijo e tomate seco (R$22,00) é um chopp de 500ml de Paulaner de trigo (R$25). Não, eu não comi tudo isso sozinha! Dividi com um amigo! End.: R. da Cantareira, 306 – Centro (Mercado Municipal).

Bar do Mané no Mercado Municipal de São Paulo

Bar do Mané no Mercado Municipal de São Paulo

Almocinho "light" no Mercadão: sanduíche de mortadela e chopp Paulaner!
Almocinho “light” no Mercadão: sanduíche de mortadela e chopp Paulaner!
  • The Fifties (09) – fui curtir o happy hour com minha amiga e os colegas dela do trabalho. O lugar tem decoração retrô, característica das lanchonetes americanas da década de 1950.  É bem procurado para happy, pois tem promoção de 50%. End.: R. Funchal, 345 – Vila Olimpia.
  • Restaurante Tantra (10) – na Vila Olímpia, com culinária da Mongólia. O lugar é muito bonito e tem um sistema diferenciado de buffet livre, além do sistema a la carte. Escolhemos o buffet que, para o jantar, custa R$78,00 por pessoa. O esquema é o seguinte, você pega uma cumbuca e vai colocando os ingredientes que vão compor seu prato, começando pelas carnes (filet de boi, tubarão, javali, frango e peixe), em seguida as verduras, camarão, mix de frutos do mar, macarrão, cogumelos e os caldos, terminando nos temperos. Para a minha felicidade, já que não sou muito boa cozinheira, eles colocam uns quadros com as sugestões de receitas. Ao final, você entrega a cumbuca com os ingredientes para o chapeiro que coloca tudo na chapa e te devolve uma cumbuca com seu prato pronto. Na mesa, eles colocam folhas e arroz. Me aventurei em três receitas diferentes, fazendo algumas incrementações, e até que ficaram gostosas! Adorei a experiência e gostei mais ainda, porque, graças ao programa MasterCard Surpreenda Restaurantes, pagamos metade do preço! End.: R. Chilon, 364 – Vila Olimpia.

Receitas e ingredientes do restaurante Tantra

Receitas e ingredientes do restaurante Tantra

Chapeiro do restaurante Tantra grelhando a os pratos montados pelos clientes
Chapeiro do restaurante Tantra grelhando a os pratos montados pelos clientes
Um dos pratos que montei no restaurante Tantra
Um dos pratos que montei no restaurante Tantra
  • Tatu Bola Vila Olímpia (11) – começamos no happy hour e nos estendemos até mais tarde. O bar é muito legal e tem música ao vivo (nesse dia foi pop rock). Porém, não tem promoção e o preço das bebidas e das comidas são um pouco salgados. Cobram couvert artístico de R$10. É bom chegar cedo para pegar mesa, pois fica bem cheio, já que fica em uma região empresarial. End.: R. Gomes de Carvalho, 1715 – Vila Olimpia.

Happy hour no Tatu Bola

Happy hour no Tatu Bola

  • Restaurante Pé de Manga (12)– mega recomendado por minhas amigas que moraram em São Paulo. Realmente, a indicação valeu! A comida é delicioooosa! Escolhemos dois pratos: um medalhão de carne com molho gorgonzola acompanhado de risoto de rúcula e tomate seco; e um medalhão de filet ao molho funghi com purê de mandioquinha. São pratos individuais, mas muito bem servidos e custaram R$54,00 cada. Não é um lugar barato, mas vale muito a pena! É um restaurante muito agradável, com uma ampla área externa com mesas sob a sombra de uma mangueira! End.: R. Arapiraca, 152 – Vila Madalena.

Saborosíssima carne do restaurante Pé de Manga!

Saborosíssimo medalhão de filet ao molho funghi com purê de mandioquinha do restaurante Pé de Manga!

Delicioso risoto do restaurante Pé de Manga!
Delicioso medalhão de carne com molho de gorgonzola e risoto de rúcula com tomate seco do restaurante Pé de Manga!
  • Boteco São Bento (13)– passamos só para um chope nesse badalado bar em uma das ruas mais agitadas da Vila Madalena. End.: Rua Mourato Coelho, 1060. Vila Madalena.
  • Kia Ora (14) – pub neozelandês no Itaim Bibi. Eu já tinha ido outras vezes e nunca me arrependi. O lugar é muito legal. A faixa etária fica enter 30 e 50 anos e a música (pop rock) é da melhor qualidade. A banda que tocou nessa noite foi a Tilt, com um repertório sensacional e músicos que arrasam! A entrada para mulher custa R$35 e para homem R$70, o que não inclui consumação. A dica para quem bebe cerveja e que esteja em grupo, é comprar a jarra de 1 litro de chope: Wallaby, chope da casa (R$25); ou Heineken (R$28). End.: R. Dr. Eduardo de Souza Aranha, 377 – Vila Nova Conceição.

CINEMAS

  • Shopping Vila Olímpia – aproveitamos a noite de segunda-feira para ir ao cinema. Fomos ao do shopping Vila Olímpia, pela proximidade e o filme escolhido foi “Como eu era antes de você”. Pense no chororô! Lindo filme! End.: R. Olimpíadas, 360 – Vila Olimpia.
  • Sala drive in do cinema Caixa Belas Artes (15)- a sala acabou de ser inaugurada e o objetivo foi unir cinema, drinks e comida em um ambiente diferenciado que conta com um trailer com um cardápio de comidas e bebidas bem legal. A decoração é baseada em carros antigos, como o Cadilac, por exemplo. Eles usaram poltronas originais dos carros para os assentos, que podem ser para duas ou três pessoas, tendo ainda a possibilidade de sentar em poltronas comuns de cinema. A iluminação é feita com faróis de carros. A entrada custou R$10,00 (R$20,00 a inteira) e dei sorte de pegar a promoção do cardápio pela metade do preço. Eles abrem a sala, pelo menos, meia hora antes do filme para que as pessoas possam comer e beber, podendo fazer isso durante o filme também. Aproveitei para almoçar lá dentro mesmo: rosbife com batata doce ao murro com alecrim, dadinhos de tapioca é um chá gelado com gengibre, tudo isso saiu por R$26! Os filmes são mais antigos e o que eu assisti é de 1989 e meio louco: o Labirinto com David Bowie. Adorei a experiência! End.: R. da Consolação, 2423 – Consolação.

Cinema Caixa Belas Artes

Cinema Caixa Belas Artes

Almoçando na sala Drive in do cinema Caixa Belas Artes
Almoçando na sala Drive in do cinema Caixa Belas Artes
  • Sala 4D do Shopping JK Iguatemi – fiquei curiosa em conhecer essa nova (para quem mora em Maceió!) tecnologia, que é o cinema 4D: 3D mais vapor de água, rajadas de vento e poltrona tremendo, tudo sincronizado com o filme. Escolhi o filme “As Tartarugas Ninjas”. Foi bem legal, mas é um programa bem caro. A entrada custa R$76,00 (R$38,00 a meia). Após a sessão, fiquei passeando pelo shopping, com suas lojas de grife e vitrines maravilhosas. End.: Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2041 – Itaim Bibi.

PASSEIOS/MUSEUS

  • Parque Ibirapuera (16) – fui duas vezes: no dia 21/6, dia Internacional do Yoga, para participar do evento de comemoração na antiga serraria; e em uma ensolarada manhã para curtir o visual pedalando. Em ambas as vezes o meu meio de transporte foi a bike do Itaú!  End.: Av. Pedro Álvares Cabral – Vila Mariana.

Dia Internacional da Yoga no Parque Ibirapuera

Dia Internacional da Yoga no Parque Ibirapuera

Passeio de bicicleta pelo Parque Ibirapuera
Passeio de bicicleta pelo Parque Ibirapuera
  • Passeio a pé pelo Centro – saímos caminhando do bairro da Liberdade, em direção ao Centro, passando pela Catedral da Sé (17), pelo Mosteiro São Bento (18), pelo Viaduto do Chá (19), pelo Teatro Municipal (20), passamos ainda pelo cruzamento das avenidas Ipiranga e São João(21) (eternizado nas música de Caetano Veloso). Paramos para um cafezinho no Shopping Light (22).

Catedral da Sé

Catedral da Sé

Esquina da avenida Ipiranga com a São João
Esquina da avenida Ipiranga com a São João
  • Pinacoteca (23) – entramos para ver a exposição permanente (pinturas e esculturas variadas), já que não tinha provisória. A entrada custa R$6,00 (R$3,00 a meia). End.: Praça da Luz, 2 – Luz.

Pinacoteca de São Paulo

Pinacoteca de São Paulo

  • Teatro Municipal – optei pela visita guiada para conhecer o interior do teatro. A visita dura entre 45 minutos e uma hora e é gratuita, mas tem que chegar cedo para colocar o nome na lista. Os horários de visitação são 11:00, 13:00, 15:00 e 17:00 (consultar antes, pois pode mudar). É legal a visita, mas acho mais interessante ir para algum espetáculo, pois os ambientes que visitamos são os que estão aberto ao público, com exceção do subsolo (atualmente, não tem nada lá). Existem, inclusive, espetáculos gratuitos ou a preços bem em conta. End.: Praça Ramos de Azevedo, s/n – República.

Teatro Municipal de São Paulo

Teatro Municipal de São Paulo

  • Parque do Povo Mário Pimenta Camargo (24)– Acordamos bem dispostas no sábado e resolvemos ir correr no  parque mais próximo da casa da Fabi, o Parque do Povo. Ele é pequeno, mas muito agradável e bem cuidado. Complementamos o exercício com uma pedalada (bike Itaú mais uma vez!). End.: Av. Henrique Chamma, 420 – Itaim Bibi.

Corridinha no Parque do Povo

Corridinha no Parque do Povo

  • Feirinha da Benedito Calixto (25)- fomos com a bike Itaú, mas completamos com o Uber, já que  a subida da Teodoro Sampaio é bem íngreme e não tem ciclovia (também não queríamos chegar suadas, heheh). Lá provamos o pastel e a empanada (deliciosos). A feira é muito legal e só ocorre aos sábados. Na praça ficam as antiguidades e a parte de comida. Ao redor, alguns estabelecimentos, como uma baladinha, são ocupados por estantes para venda de produtos diversos (roupas, óculos, acessórios, comida, artesanato…). Você encontra coisas bastante interessantes e diferenciadas. Não é uma feira barata, mas também não é muito cara. End.: Praça Benedito Calixto – Jardim Paulista.

Feira Benedito Calixto - galpão com produtos variados

Feira Benedito Calixto – galpão com produtos variados

COMPRAS

Juro que tentei não fazer compras, mas não resisti e fiz umas comprinhas humildes na Oscar Freire, principalmente na exuberante loja das Havaianas (26) e no Mercadinho Chique (27)! Não, não estou sendo metida! Não vou lá para fazer compras caríssimas! Meu objetivo é admirar as lindas lojas e passear, já que considero uma das ruas mais agradáveis da cidade!

Mercadinho Chic - Oscar Freire

Mercadinho Chic – Oscar Freire

Loja das Havaianas - Oscar Freire
Loja das Havaianas – Oscar Freire

TRANSPORTE

São Paulo é uma cidade imensa, com um trânsito caótico e estacionamentos caríssimos, por isso eu, particularmente, nem cogito me deslocar de carro. Sempre utilizei o transporte público (metrô, ônibus e trem) e táxi, mas dessa vez experimentei dois novos meios de transporte: a bicicleta do Itaú e o Uber.

Foram construídas diversas ciclovias pela cidade, principalmente pelas avenidas mais largas da Zona Sul e do Centro, tornando o passeio de bicicleta mais seguro e mais agradável. Além disso, a Prefeitura de São Paulo, em parceria com o banco Itaú e com o Bradesco Seguros, distribuiu centenas de bicicletas pela cidade. Ambas são gratuitas por um período determinado: uma hora para as bikes do Itaú e 30 minutos para as do Bradesco. Você pode continuar o uso sem pagar se der um intervalo de, no mínimo 15 minutos para aquelas e 7 minutos para estas. Caso ultrapasse o tempo, será cobrada uma taxa de R$5,00 por cada 30 minutos (Bradesco) e 1 hora (Itaú). É preciso cadastrar um cartão de crédito, mas não cobram nada (só quando você ultrapassa o período de uso gratuito). Preferi o sistema do Itaú, pois a quantidade de estações é bem maior e a pessoa pode controlar tudo pelo aplicativo Bike Sampa. São várias as estações espalhadas pela cidade e no aplicativo você as localiza e verifica a disponibilidade de bicicletas e de vagas para devolvê-las. As bicicletas possuem 3 marchas e tem um cesto para colocar bolsa.

Estação de bicicletas Itaú
Estação de bicicletas Itaú

O sistema do Uber trouxe como vantagem a redução do custo e o aumento do conforto. Existe ainda a opção Uber compartilhado, no qual é possível entrar em um carro que já tem outro passageiro com outro destino. A vantagem é que fica ainda mais barato e que o preço fica pré-definido, porém a desvantagem é a possibilidade de o percurso ficar mais longo e demorado.

Dessa vez, passei pelos três principais aeroportos: Cumbica (Guarulhos), Congonhas e Viracopos (Campinas). As opções de transporte que costumo usar para os aeroportos são:

Ônibus gratuito da Gol – para aqueles que chegaram ou vão partir pela empresa e querem fazer o trajeto entre os aeroportos de Guarulhos e Congonhas. Fica do lado de fora do desembarque, junto aos guichês de venda de passagens de ônibus. É bom para quem não tem pressa, pois, às vezes tem que esperar, no mínimo, uma hora, e quase sempre atrasa pelo trânsito. Tem que ficar esperando na fila. Não recomendo nos horários de pico, pois, devido ao trânsito, a viagem pode durar mais que 2 horas. O site da Gol não diz os horários e quando procurei no Google, achei uns horários desatualizados. Junto da parada do ônibus, tem uma placa com todos os horários. O mesmo serve para o sentido oposto. Em Congonhas, o ônibus para na parte inferior.

Uber – o valor é variado, mas, normalmente, fica cerca de 40% ou 50% mais barato que o táxi convencional. No meu caso, a estimativa do trecho Guarulhos – Congonhas era entre R$69 e R$80, enquanto o táxi convencional cobrou R$150,00.

Airport Bus Service – ônibus pago (R$47,35)  que faz o trajeto entre os aeroportos de Guarulhos e Congonhas, com paradas em pontos estratégicos de São Paulo.

Ônibus convencional – a parada fica do lado de fora do desembarque, no canteiro do meio. Atualmente custa R$5,55, tem espaço para malas e vai até a estação de metrô/ CPTM Tatuapé (linha vermelha), anexa ao shopping Tatuapé. Lá você compra o bilhete do metrô ou CPTM (R$3,80) e segue para a sua estação de destino.

Ônibus Azul – clientes da empresa Azul têm direito a ônibus gratuito para o aeroporto de Viracopos, cujos pontos de partida são: estação Barra Funda (linha vermelha), no terminal turístico entre os terminais 6 e 8 (conferir horários no site); aeroporto de Congonhas; e Shopping Eldorado. A viagem leva entre 1 e 1,5 horas. A empresa não oferece ônibus saindo do aeroporto de Guarulhos.

Voltei para Maceió renovada com minha maravilhosa semaninha de férias em São Paulo! Foi melhor do que eu esperava!

mapa Itaim Bibi

mapa Jardim Paulista

mapa Se_Centro

mapa Pinheiros

SITES ÚTEIS:

http://www.visitesaopaulo.com

http://www.eataly.com.br

http://www.mobilicidade.com.br/Bike_Sampa

http://www.ciclosampa.com.br

http://www.airportbusservice.com.br/br/linhas

4 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s