COMEÇANDO O TOUR PELO SUL DO PERU: PARACAS E ICA

Olá, pessoal!

Continuando os relatos da minha viagem ao Peru em setembro de 2011, aqui vou falar de lugares que visitei e dos quais nunca havia escutado falar antes: Paracas e Ica. Peguei indicações nos hostels e com as pessoas que ia conhecendo pela viagem. Eu dava uma conferida na internet, mas, nessa época, eu não tinha aplicativos de viagens e nem acessava blogs.

PARACAS

postal-ilhas-ballestas-frentepostal-ilhas-ballestas-verso

Saindo de Lima, após mais de quatro horas de viagem e quase 300km percorridos, cheguei a Paracas viajando com o ônibus da Cruz del sur (55.00 soles). A empresa é super organizada e com veículos muito confortáveis! Dá para dormir muito bem nas poltronas, elas são bem acolchoadas, são leitos e o espaço entre elas é bem amplo!

Ônibus da Cruz del Sur
Ônibus da Cruz del Sur

Paracas é uma vila de pescadores na província de Ica, onde o deserto e o mar se encontram e sofreu bastante com um terremoto. Suas construções possuem cobertas em palha, visto que só chove uma vez por ano.

Paisagem do deserto em Paracas
Paisagem do deserto em Paracas

Seu atrativo principal é a Reserva Nacional de Paracas, mais especificamente, as Ilhas Ballestas. E foi esse meu objetivo em Paracas, fazer o passeio de lancha pelas Ilhas Ballestas. A Reserva protege não apenas a diversidade biológica, mas também os sítios arqueológicos da cultura pré-inca.

Ao chegar à rodoviária de Paracas fui recebida pelo pessoal do tour (Paracas Explorer S.A.C.)que contratei na agência de turismo do Loki Hostel de Lima. Deixei minhas bagagens na agência e fui para a lancha do passeio (75.00 soles).

Rodoviária de Paracas
Rodoviária de Paracas
Chegada em Paracas
Chegada em Paracas

O passeio de lancha pelas Ilhas Ballestas dura cerca de duas horas e nos permite admirar as maravilhosas formações rochosas, pássaros, pinguins, leões-marinhos e golfinhos.

Lancha do passeio pelas Ilhas Ballestras
Lancha do passeio pelas Ilhas Ballestas
As belíssimas formações rochosas das Ilhas Ballestras
As belíssimas formações rochosas das Ilhas Ballestas
Pássaros sobrevoando uma das ilhas
Pássaros sobrevoando uma das ilhas
Pinguins
Pinguins
Leões marinhos
Leões-marinhos
Golfinhos
Golfinhos

Também paramos para fotografar a montanha que possui um misterioso desenho de um candelabro. Não se sabe como tal figura foi parar lá, mas existem diversas teorias, como a que diz que foi feito pelos incas, uma outra que defende ser um desenho alienígena e uma terceira que afirma que o desenho tem a mesma origem das Linhas de Nazca.

Figura do Candelabro
Figura do Candelabro

Tudo muito lindo! Lá têm empresas que coletam as fezes dos pássaros (guanto) que fica acumulado nas pedras para usar como adubo na agricultura. Na década de 70, foi um dos principais produtos de exportação do país, tendo grande importância para a economia peruana.

Coleta de guanto, fezes de pássaros
Coleta de guanto, fezes de pássaros

ICA

postal-ica-frentepostal-ica-verso

Após o passeio pelas Ilhas Ballestas, fui em uma van da Desert Travel and Service (25 soles) para Ica, capital da província de Ica, viagem que durou apenas uma hora. A cidade é a principal exportadora de produtos agrícolas do país, mas a cidade é uma loucura. Trânsito caótico, cheia de buzinaço e aqueles carrinhos pequenos e engraçados. A empresa responsável pelo traslado para Ica também oferecia um city tour (30 soles) pela cidade e resolvi fazê-lo, já que ainda tinha muitas horas livres até o horário de partida do meu ônibus para Arequipa.  A primeira parada foi na Praça de Armas, também cheia de prédios amarelos ao redor, a Catedral foi destruída com o terremoto de 2007. Não foi bem uma parada, pois não era permitido estacionar, então ficamos dentro da van ouvindo as explicações.

Plaza de Armas de Ica
Praça de Armas de Ica

Em seguida, fomos para Cachiche, que quer dizer terra de água salgada, já que a água do lençol é salobra, mas potável. É também conhecida como “Terra das Bruxas”, já que, na região, segundo a lenda, existiam várias bruxas. Fomos a um museu sobre a história das bruxas, porém nada muito interessante.

Escultura de bruxa em Cachiche
Escultura de bruxa em Cachiche

Depois fomos ver a Palmeira de 7 cabeças que, de acordo com a lenda, era uma bruxa que foi amaldiçoada e transformada em palmeira. Também nada interessante!

Palmeira de 7 cabeças
Palmeira de 7 cabeças

A parada seguinte foi a Bodega El Catador, onde eles produzem vinho e pisco. A guia nos mostrou todo o processo, desde o “pisa-pisa” até a destilação do pisco. Em seguida, fomos para a degustação.

Vinaria el catador - local de pisar as uvas
Bodega el catador – local de pisar as uvas
Vinaria el Catador - vasilhames
Bodega el Catador – vasilhames
Produtos da Vinaria el Catador
Produtos da Bodega el Catador
Plantação de uvas na vinícola
Plantação de uvas na vinícola

Finalmente, fomos almoçar em um restaurante típico. Não dava para entender nada do cardápio (nem os mexicanos entenderam). Resolvi comer a recomendação do guia: triple (arroz con pato, carapulcra y sopa seca): uma porção enorme com arroz com peito de pato assado, purê de batata laranja com fava (carapulcra) e noodles (sopa seca). Nada muito delicioso, mas também não era ruim. Bem melhor que a escolha da mexicana: cuy (parece um ramster grande). Ela pediu só metade, e veio a cabeça com mais duas partes que incluíam as pernas e as unhas. Eca! Sobrou para o coitado do marido.

Arroz con pato, carapulcra y sopa seca
Arroz con pato, carapulcra y sopa seca
Cuy
Cuy

No caminho, vimos muita pobreza, principalmente em uma área que foi destruída pelo terremoto de 2007. As pessoas continuam vivendo em casas de papelão.

Fomos para Huacachina, um oásis no meio do deserto, com uma série de dunas onde as pessoas praticam sand boarding e fazem passeios de bugre. Não fiz nada disso, só caminhei ao redor da lagoa seguindo o grupo e o guia. Segundo ele, antes eram 7 lagoas, hoje só resta esta que está poluída e, inclusive, seu olho d’água morreu com a poluição e com o assoreamento. A ocupação começou em 1920, com ela os esgotos passaram a ser lançados na lagoa, que está secando. Todo mês o caminhão de água dá uma enchida na lagoa.

Huacachina um oásis em meio ao deserto
Huacachina um oásis em meio ao deserto
Lagoa de Huacachina
Lagoa de Huacachina
Dunas de Huacachina e seus bugres
Dunas de Huacachina e seus bugres

Segundo a lenda, uma princesa cantava no local, quando viu um caçador pelo espelho. Assustada, saiu correndo, seu vestido caiu e virou duna, o espelho, ao cair, virou a lagoa, a princesa virou uma sereia que aparece nas noites de lua cheia.

Escultura da princesa que virou sereia
Escultura da princesa que virou sereia

Nos posts seguintes contarei minhas aventuras em Arequipa, Puno, Cusco e Machu Pichu!

Até mais!


Site útil:

http://peru.travel/pt-br/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s