Atrações parisienses ao Sul do rio Sena e o Palácio de Versalhes

Olá, pessoal!

Nesse terceiro e último post de Paris, irei descrever minhas experiências nos pontos turísticos espalhados pela Ile de la Cité e pelo Sul do rio Sena, além da minha visita ao Palácio de Versalhes (em 2010). Assim como o post anterior, será um mix das minhas duas visitas a Paris: 2006 com minhas amigas Manú e Mari; e em 2010 com minha mãe.

Irei começar o tour pela Ile de la Cité, uma ilha em meio ao rio Sena. Não é a toa que sua tradução para português é “Ilha da Cidade”, já que ela é o centro de Paris e local de fundação da cidade. As atrações que visitei na ilha foram a Catedral de Notre-dame e  a Conciergerie:

  • Catedral de Notre-dame – essa igreja, mundialmente conhecida, passou dois séculos em construção. Foi construída no lugar de um templo romano e acabou sendo destruída durante a Revolução e reconstruída no século XIX por Viollet Le Duc. É famosa por seus vitrais, principalmente os das duas grandes rosáceas: a Norte que conta a história do Novo Testamento, e a Sul com a do Velho Testamento. Sua fachada principal é repleta de detalhes, com esculturas de 28 reis e com a rosácea Oeste. O portal central possui arcadas formadas por santos.
Catedral Notre Dame (2010)
Mari e eu com a Catedral de Notre-dame (2006)
Lateral direita da Catedral com a Rosácea Sul (2006)
Rosácea sul da Catedral com o Novo Testamento (2006)
Rosácea Norte da Catedral com o Velho Testamento (2006)
Pracinha ao lado da Catedral (2006)
  • Conciergerie – apesar de eu não ter feito o tour por seu interior, seu exterior me chamou a atenção. Fez parte do antigo Palácio da Cidade, residência da realeza francesa entre os séculos X e XIV e, a partir daí, foi convertida em prisão, onde ficou presa a Rainha Maria Antonieta antes de ser guilhotinada. O passeio pela parte de dentro inclui a visita ao Tribunal da Revolução Francesa.
Minha mãe com a Conciergerie ao fundo

Saindo da ilha, vamos até a parte de Paris que fica ao sul do rio Sena, onde eu visitei os seguintes pontos turísticos: Igreja Saint Étienne du Mont, Panteão, Jardins de Luxemburgo, Museu D’Orsay, Les Invalides, Sainte Chapelle, Campo de Marte, Muro pela Paz e Torre Eiffel:

  • Igreja Saint Étienne du Mont – uma igrejinha muito linda que fica no Quartier Latin, uma região conhecida pelas universidades, como a de Sorbonne, por exemplo, e as escolas. Nela estão guardados os restos mortais da padroeira da cidade: a Santa Genoveva.
  • Igreja St Etiene du Mont
  • Panteão – fica bem pertinho da Igreja Saint Étienne du Mont, também no Quartier Latin. Ele foi construído entre 1764 e 790 em homenagem à Santa Padroeira de Paris (Santa Genoveva). Tornou-se Panteão durante a revolução de Paris para dar lugar às tumbas dos ilustres, como Voltaire e Rousseau, por exemplo. Como ele é rodeado por outras edificações, afastei-me para conseguir fotografá-lo e fiquei apaixonada pela foto que tirei a partir de uma das saídas do Jardim de Luxemburgo.
Panteão a partir do Jardim de Luxemburgo
  • Jardim de Luxemburgo – é um belíssimo parque público de Paris datado do início do século XVII, mas que foi remodelado posteriormente por Haussmann. Além de belíssimos jardins e de lindos espaços arborizados enfeitados por mais de cem esculturas, possui espaços para as crianças brincarem e áreas de esportes para os jovens e adultos. O destaque vai para o imponente Palácio de Luxemburgo.
Jardim de Luxemburgo (2006)
Jardim de Luxemburgo (2010)
Jardim de Luxemburgo (2010)
  • Museu D’Orsay – construído como um terminal ferroviário e em 1986 foi transformado em museu, preservando sua arquitetura original.
Museu D’orsay (2006)
  • Hôtel Nacional Les Invalides (Palácio dos Inválidos)- foi construído inicialmente, sob a ordem de Luís XIV, para abrigar os inválidos do exército real.  Hoje abriga o Museu das Armas. Tem ainda a Igreja Saint Louis des Invalides, com seu belíssimo e gigantesco domo, que foi construído para refletir o esplendor do reinado de Luís XIV. Sua capela abriga o túmulo de diversos militares, com destaque para Napoleão Bonaparte. Confesso que essa história de guerras não me atrai muito, por isso nos contentamos com o seu exterior que é belíssimo!
Les Invalides (Palácio dos Inválidos)
Entrada da Igreja Saint Louis des Invalides
  • Sainte Chapelle – uma igreja com um interior belíssimo e todo trabalhado. Ela foi destruída na revolução e renovada por Violet le Duc. Em 2006 pagamos €4,50  para entrar. A capela inferior possui uma linda rosácea composta por vitrais, maravilhosas colunas e um teto todo trabalhado. A superior, que antigamente era reservada para a família real e para os cortesãos, é repleta de vitrais com cenas bíblicas que contam a história do apocalipse.
Capela inferior da Sainte Chapele (2006)
Vitrais da capela superior da Saint Chapele (2006)
  • Campo de Marte – é um belo gramado, rodeado por árvores, muito usado pelos franceses e pelos turistas para descansar, tendo a Torre Eifell como pano de fundo. Ganhou esse nome quando a Escola Militar, construída ali ao lado, passou a utilizá-lo como local para as manobras. Marte é o deus romano da guerra, por isso a relação com os militares. Esse local sediou diversos eventos revolucionários e exposições. Encontra-se instalado lá o polêmico monumento conhecido como Muro pela Paz, símbolo da luta pela fraternidade, mas que não agradou muita gente que diz que atrapalha a vista da torre.
Campo de Marte visto do alto da Torre Eiffel (2006)
Vista da Torre Eiffel a partir do Campo de Marte (2010)
Monumento Muro da Paz (2010)
  • Torre Eiffelessa torre de ferro, com 324m de altura, construída por Gustavo Eiffel, no século XIX, para a Exposição Universal de 1889 em homenagem ao centenário da Revolução Francesa,  é o monumento mais famoso de Paris. Ela é aberta todos os dias e o acesso aos seus andares pode ser feito por elevador ou por escadas. Na minha visita em 2006, durante o inverno europeu, a fila não estava tão grande e conseguimos subir, pagando €6 cada (de escada e até o 2º andar). Já em 2010, em pleno verãozão, a fila estava imensa, por isso acabamos desistindo da subida. Na época, compramos o ingresso na própria torre, mas, pesquisando, vi que hoje é preciso comprar antes no site. O melhor ainda é garantir o ingresso corta-filas. O ticket para o adulto custa €25 para ir até o 3º andar, €16 até o 2º piso através do elevador, e €10 para ir de escada até o 2º andar. Lá em cima, além da maravilhosa vista, têm restaurantes para almoço e jantar, exposições contando a história do monumento, incluindo uma parte da escada original de Gustavo Eiffel e, quando fui, tinha ainda uma pista de patinação no gelo.
Paris do alto da Torre Eiffel (2006)
Antiga escada da Torre Eiffel (2006)
Pista de patinação de gelo no alto da Torre (2006)

Por fim, relatarei aqui o dia que passei no Palácio de Versailles em 2010. Fomos de trem, saindo da estação Invalides, pagando €6.10 ida e volta. Não precisa comprar o ticket antecipado, pois as saídas são frequentes (a cada 20 minutos, aproximadamente). A chegada é na estação Versailles Rive-Gauche.

  • Palácio de Versailles –  castelo da realeza francesa, datado do século XVII, que fica em Versailles, subúrbio de Paris. Foi convertido em museu no século XIX. Ele é famoso por seu exuberante jardim, mas tem como atrativos ainda o Salão dos Espelhos, os aposentos reais, o Grand Trianon (um pequeno palácio em mármore rosa) e as belíssimas fontes espalhadas pelo jardim (tem o show das fontes com música). O tour pelo Palácio, com o áudio, custou €15 euros. Para acrescentar o passeio pelo jardim, tinha que pagar mais €7 euros e o tour completo custava €25. O jardim abre todos os dias, já o Palácio fecha às segundas. Vão preparados para encontrar muita gente!
Palácio de Versalhes (2010)
Salão dos espelhos de Versailles (2010)
Áudio guiando a visita (2010)
Cama da Rainha (2010)
Jardim de Versailles (2010)

E assim finalizo um dos mais longos relatos desse blog. Isso mostra que a “Cidade Luz” oferece vários atrativos. Portanto, se quiser conhecer o básico da cidade, reserve alguns bons dias! Como vocês podem ver, visitei a cidade duas vezes e ainda fiquei sem conhecer muitos lugares legais!

Na visita de 2006, como estávamos mochilando de trem, seguimos nossa viagem, com a vantagem de não ter que pagar nenhum transfer, já que as estações ferroviárias são centrais e integradas ao metrô. Já em 2010, tínhamos um voo para Nice, saindo do aeroporto Orly, para ir para lá pegamos um transfer de €15.

Até a próxima, pessoal!

 

LEIAM MAIS EM:

Aii… o verão parisiense!

Alguns atrativos de Paris ao Norte do rio Sena

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s