Conhecendo Seul, a capital da Coreia do Sul!

Oi, pessoal!

Quando passei uma temporada trabalhando em um grupo de pesquisas na Universidade de Liverpool na Inglaterra, tive como um dos orientadores um professor sul coreano, além de outros colegas desse país. Isso me deixou bastante curiosa em conhecer a Coreia do Sul. Quando tive a oportunidade de ir para o Japão, dei um jeito de encaixar uma passada rápida nesse país.

Estava viajando com minha mãe, e uma amiga, Tia Elza, que mora no Japão, juntou-se a nós para essa viagem. Pegamos um voo da Air Seoul de Tóquio (Aeroporto de Narita), para o Aeroporto de Incheon, gigantesco e que fica a cerca de 1 hora e meia do centro de Seul.

Chegada no Aeroporto de Incheon

No próprio aeroporto procuramos uma casa de câmbio para comprar WON (moeda local), pois o ônibus não aceitava moeda estrangeira. Como chegamos quase meia noite, não existiam muitas opções de transporte. Fomos para a parada de ônibus do lado de fora do aeroporto e pegamos o ônibus (Limousine Bus – 16000 WON) para a Prefeitura, de onde pegamos um táxi para o nosso hotel (4000 WON). É bem tranquilo pegar táxi lá, mas é bom ter o endereço por escrito (se tiver em sul coreano ajuda bastante!). Na volta, pegamos o Limousine Bus n°6001 na esquina do hotel e em 1h20 estávamos no aeroporto.

Limousine Bus

HOTEL

Para otimizar nossa estadia em Seul, já que tínhamos apenas dois dias, optamos por um hotel na região de Myeongdong, pertinho do metrô e da área dos shoppings. Ficamos hospedadas em um quarto triplo com um mezanino no Staz Hotel Myeongdong 2, cujo valor das duas diárias saiu por U$140.

Curtindo nosso maravilhoso quarto no hotel
Nosso quarto
Banheiro do quarto

ATRAÇÕES

Confesso que não tive muito tempo para pesquisar as atrações em Seul antes da viagem. Fui pesquisando na internet durante o passeio e seguindo também as indicações dos mapas que peguei quando lá cheguei. Fizemos a maior parte do percurso a pé, mas, nas distâncias maiores, usamos táxi ou ônibus. Seguem as atrações que visitamos:

  • Nandaemun Market – histórico mercado de rua (gratuito), que funciona há séculos, é enorme e tem até uma parte subterrânea. A variedade de produtos é grande, roupas, acessórios, eletrônicos… Mas focamos na parte de comida.
Lojinhas do Nandaemun Market

Estávamos querendo conhecer os produtos da culinária sul coreana. A variedade é imensa! Muita coisa diferente! Para facilitar, eles deixam os pratos montados na vitrine, só assim a pessoa sabe o que pedir, já que tudo é escrito em sul coreano e o pessoal não é muito bom no inglês. Aí é só apontar!

Bolinhos variados, inclusive de feijão
Vitrine com pratos prontos
É um mundo de comida!
Comidinhas que não me atraíram muito

Como os pratos não nos atraíram muito e era difícil se comunicar para saber o que era a comida, usamos a tática de provar o que era mais procurado! Tinha uma barraquinha fazendo uns bolinhos fritos na hora que estava com uma fila bem grande. Foi lá mesmo que comemos. Minha mãe e tia Elza foram na opção salgada, com verdura. Já eu fui na doce, que estava uma delícia, mas confesso não saber o que tinha no recheio.

Bolinhos doces e salgados fritos na hora em uma barraquinha no mercado
Olha nós com nossos bolinhos!
  • Namdaemun (Sungnyemun Gate)– seguimos caminhando e, um pouco depois do mercado, chegamos ao Sungnyemun Gate, histórico portão de entrada em estilo de pagode, datado do século XIV. Era um dos 3 portões de entrada da muralha de pedra da cidade de Seul, a qual tinha mais de 18km de comprimento e 6,1m de altura.
Sungnyemun Gate
Sungnyemun Gate

Demos sorte de chegar na hora da troca da guarda. Não deve ser algo muito famoso não, pois tinha pouca gente assistindo. Mas achei bem legal. Eles vêm andando pela rua e fazem a troca na frente do portão.

A guarda chegando para fazer a troca em frente ao Sungnyemun Gate
Tentamos, mas não conseguimos fazer o guardinha sorrir!
Finalizando a troca da guarda no Sungnyemun Gate
  • Prefeitura de Seul – pegamos um ônibus perto do Sungnyemun Gate e fomos até a belíssima praça em frente ao maravilhoso prédio da Prefeitura de Seul. Encontramos o letreiro “I Love Seoul” e não teríamos como deixar de tirar uma foto clássica ali!
Praça em frente à Prefeitura de Seul
  • Palácio Deoksugung – fica logo em frente à Prefeitura e foi construído originalmente no século XV para ser a residência do príncipe Wolsan, sendo destruído na invasão japonesa de 1592, mas foi recuperado e hoje é aberto à visitação. Na bilheteria compramos o Royal Palace Pass (KRW 10000), um passe que dava direito à entrada, por até 3 meses, nesse palácio, em mais outros 3 palácios ( Gyeongbokgung, Changdeokgung e Changgyeonggung) e ao Santuário Jongmyo. Compramos porque ficava mais em conta, mas só conseguimos usar em dois palácios, mesmo porque, do ponto de vista arquitetônico e construtivo, eles são bem parecidos. O Palácio Deoksugung não é muito grande, portanto não precisa reservar muito tempo para essa visita.
Entrada do Palácio Deoksugung
Uma das construções do palácio
Interior de uma das construções do palácio
  • Gwanghwamun Square – é uma praça pública de grande importância histórica e cultural para a cidade e onde ocorrem manifestações e eventos diversos.
Gwanghwamun Square
  • Cheonggyecheon – riacho urbanizado com espaços de recreação em suas margens. É o maior parque horizontal urbano do planeta.
Cheonggyecheon
Lindas esculturas no Cheonggyecheon
Muito agradável caminhar pelo Cheonggyecheon
Ponte de pedra em Cheonggyecheon
  • Palácio Gyeongbokgung – palácio real, da Dinastia Joseon, localizado em Jongno-gu, ao norte da capital. A construção original data do século XIV, mas ele foi destruído e reconstruído em 1867. Foi novamente destruído, dessa vez pelo Império do Japão, no século XX e vem sendo recuperado. É um complexo gigantesco rodeado por muralhas. Também tem a troca da guarda, mas não estava acontecendo no momento em que estávamos lá. Ela ocorre todos os dias às 10h e às 14h. O palácio só fecha às terça-feiras e a entrada custa 3 mil wons (R$ 8,3), mas usamos nosso Royal Palace Pass.
Entrada do Palácio Gyeongbokgung

A arquitetura é bem semelhante a do outro palácio que visitamos, mas possui mais construções. Uns templos lindos, coloridos e repletos de detalhes, por dentro e por fora. Tem até uma ilha artificial! O palácio estava cheio de gente, muitos vestindo roupas típicas. Depois descobrimos que tinha um lugar ali pertinho que alugava as vestimentas para quem quisesse passear pelo palácio nos trajes usados antigamente.

Palácio Gyeongbokgung
Visitantes com trajes típicos no Palácio Gyeongbokgung
Uma das construções do Palácio Gyeongbokgung
Interior de uma das construções do Palácio Gyeongbokgung

Saímos explorando o palácio e encontramos um monumento com os signos do horóscopo chinês. Não pude deixar de tirar uma foto com o meu: o porco!

Ssignos do horóscopo chinês
Meu signo do horóscopo chinês: porco

Outra belíssima construção dentro do palácio é o Museu Folclórico Nacional, que fica no topo de uma escadaria.

Museu Folclórico Nacional
  • Complexo de palácios Ch’angdokkgung (Palácio Este) – um dos cinco construídos pela dinastia Choson. É Patrimônio da Humanidade (Unesco). Só passamos na porta, não deu tempo de entrar, mas a entrada também estava inclusa no Royal Palace Pass.
  • Aldeia Hanok de Bukchon – é uma aldeia tradicional coreana, que fica rodeada pelos palácios Gyeongbokgung e Ch’angdokkgung e pelo santuário real de Jongmyo. Seus becos são preservados para mostrar seus 600 anos de história. Hoje é um centro de cultura e um restaurante hanok. Saímos caminhando do palácio Gyeongbokgung até lá. Foi bem difícil encontrar o beco, mas adoramos passear pelo bairro, repleto de lojinhas, cafés e restaurantes. Estávamos cansadas e resolvemos parar para comer churros em uma das lanchonetes e curtir o clima do bairro. Acabamos não subindo para passear pelo beco.
Rua principal do bairro da Aldeia Hanok de Bukchon
Beco para a Aldeia Hanok de Bukchon
Pausa para comer
  • Santuário real de Jongmyo / Chongmyo– também fazia parte do Royal Palace Pass, mas, infelizmente, quando chegamos lá já estava fechado. É o mais velho (século XVI) e mais autêntico santuário sul coreano e ainda sedia cerimônias.
  • N Seoul Tower (CJ Seoul Tower ou Namsan Tower) – é o ponto mais alto da cidade. Fica no Monte Namsan, perto do nosso hotel, rodeada pelo parque público. Tem uma vista panorâmica da cidade e dois andares dedicados a restaurantes. É possível subir a pé ou de teleférico, mas como tínhamos pouco tempo e pouca disposição, fomos de teleférico mesmo.  O teleférico custou 8500 wons, ida e volta, sendo 5500 wons para crianças e idosos.  O caminho até chegar ao terminal do teleférico é bem sinalizado.
Rua sinalizada para chegar ao teleférico
Sinalização da pista indicando o caminho até o teleférico
Terminal do teleférico
Teleférico até a torre
Esperando para entrar no teleférico
Teleférico lotado

A vista da base da torre, onde chegamos com o teleférico é bem legal e, para onde você olha tem cadeados presos. Dá para tirar lindas fotos com o colorido dos cadeados com mensagens escritas!

Vista da base da torre
Vista da base da torre com cadeados
Mais cadeados
A Torre
Não nos cansávamos de fotografar com os cadeados

Fiquei curiosa e resolvi subir para ver a vista do observatório da Torre, cuja entrada custa 10 mil wons (R$ 27). Vista legal, mas não achei indispensável!

Vista do observatório da torre
Vista do observatório da torre

Essas foram as atrações que conseguimos visitar na nossa passagem rápida. Achei que foi suficiente. Pelo que li nos blogs, outros pontos turísticos a visitar na capital da Coreia do Sul são: o Dongdaemun Design Plaza (complexo multiuso projetado por Zaha Hadid e Samoo com jardim de rosas de LED e o show de luzes dos prédios); o Museu Nacional da Coreia (sexto maior museu do mundo); o Templo Budista Jogyesa; e o Memorial da Guerra (em homenagem à Guerra da Coreia). Mas a principal atração turística de Seul, que também não visitamos, é a DMZ (Demilitarized Zone), zona desmilitarizada que é uma região de fronteira entre as Coreias do Norte e do Sul, uma forma de um turista ver o que se passa em um pedacinho do país mais fechado do mundo.

COMPRAS E COMIDAS

Não tivemos muito tempo para explorar o comércio e a gastronomia da cidade, resolvemos focar na região de Myeongdon, onde nos hospedamos. As ruas são repletas de lojas, cafés e restaurantes. São tantas opções que fica difícil escolher algo para comprar. Não achamos nada com preço muito convidativo e acabamos comprando apenas alguns souvenirs.

Lojas e restaurantes das ruas de Myeongdon
Produtos diversos pelas ruas de Myeongdon

Nossa grande dificuldade era a escolha do local para comer. A saída foi perguntar ao Google! Dentre as opções que encontramos, escolhemos o restaurante Yoogane, no “burburinho” de Myeongdon. Acertamos na escolha! Ele é bem movimentado, tem um ótimo custo-benefício e oferece comida típica preparada na hora na mesa do cliente.

Restaurante de comida típica

Escolhemos o famoso Frango Galbi (picante), que vem acompanhado de arroz. O fogão fica no meio da mesa e o garçom vem com os ingredientes crus e prepara tudo na hora lá na mesa. achei muito interessante e o cheiro já vai abrindo o apetite. A comida estava deliciosa!

Alguns dos ingredientes do nosso jantar
Fogão para o preparo do nosso jantar
Início do preparo
Garçom preparando nosso jantar
Jantar pronto
Jantar finalizado

Agora se a opção for comprar um lanchinho ou algo rápido, são várias as opções de mercadinhos, sendo a rede mais famosa a “CU“!! Isso mesmo! Nome diferenciado né?! Não podia perder a piada! Era lá que comprávamos os lanchinhos para os passeios. Não era muito barato, mas a praticidade falava mais alto! A dificuldade era entender o que diziam as embalagens, mas sempre dávamos um jeito!

“Tomando no CU (famosa rede de mercados)”

Bom, pessoal! Foi uma passagem rápida, mas intensa! Acabamos fazendo mais coisas que imaginávamos! O país ainda precisa estruturar mais o seu setor turístico, mas valeu a visita! Matei minha curiosidade!

Espero que tenham curtido o relato!

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.