Uma passagem rápida, porém intensa por Tóquio

Olá, pessoal!

Em maio de 2018 passei oito dias explorando um pouquinho do Japão na companhia da minha mãe. No pouquinho de tempo que tivemos, conseguimos visitar algumas cidades, como já relatei em outros posts: Saitama, a região do Monte Fuji, Quioto e Hiroshima. Lógico que não podia deixar de visitar Tóquio, a capital japonesa. Fiquei impressionada com essa metrópole!

Chegando ao Japão

Após uma hora de trem saindo de Saitama, chegamos a Tóquio, onde fomos recebidas por muita chuva, o que não nos impediu de bater perna pela cidade. Compramos um guarda-chuva e saímos explorando a cidade. A chuvinha deu até um charme a mais ao passeio!

Trem de Saitama para Tóquio
Prontas para encarar a chuva em Tóquio

A seguir falarei um pouco sobre os lugares que visitamos, os lugares de compras, as comidas que provamos  e onde nos hospedamos.

  • PASSEIOS
    • Santuário Meiji – a primeira atração turística que visitamos na capital japonesa foi um local que destoa completamente da agitada metrópole pela paz e sossego. O santuário fica dentro de um parque imenso, o Parque Yoyogi, no bairro de Harajuku, e é repleto de verde, pássaros e com paisagens belíssimas. A caminhada desde o portal de entrada (entramos pela que fica mais perto da estação de metrô Meiji-jingumae) até o santuário, por dentro do parque é super agradável! Pena que a chuva não permitiu que explorássemos melhor o parque.
Portal de entrada para o Santuário Meiji
Riacho passando pelo Santuário Meiji

No caminho, encontramos ainda um paredão composto por diversos vasilhames brancos com escritos em japonês. Só depois que descobri que eram barris de saquê doados por empresas e famílias ricas como agradecimento ao progresso da indústria dessa bebida. Não podia deixar de tirar uma foto nesse cenário tão bonito. Aliás, já virou uma foto clichê dos visitantes.

Barris de saquê decorando o caminho até o Santuário Meiji

Também me chamou atenção as pessoas passeando pelo parque vestidas de kimono com aquela sombrinha. Bem a imagem dos japoneses de filmes antigos e desenhos animados.

Galera passeando pelo Parque Yoyogi com Kimonos

Na entrada do santuário, atravessamos mais um belo Torii (portal) e nos deparamos com um lindo complexo de templos xintoístas, dedicado ao Imperador Meiji. Ele foi construído em 1920, destruído na 2ª Guerra Mundial e reconstruído no final da década de 1950.

Toori (portal) de entrada para o Santuário Meiji
Panorâmica do Santuário Meiji
Panorâmica do Santuário Meiji

Como em todos os templos japoneses, deve-se lavar as mãos antes de entrar, em sinal de respeito. Por isso, todos possuem uma Temizuya, uma fonte com conchas para ajudar os visitantes na purificação.

Temizua (fonte) para purificação na entrada do Santuário

Do pátio central podemos contemplar os lindos templos construídos em madeira e cobre, típicos da arquitetura shimmei. Infelizmente, não pude registrar os altares para mostrar a vocês, pois não é permitido fotografar, mas são lindos.

Pátio central do Santuário Meiji

Achei muito legal as plaquinhas penduradas nos suportes da árvore que fica no pátio e fui procurar saber o que era. Eram mensagens de agradecimento deixadas pelos visitantes. Se quiser deixar a sua também, basta ir até a lojinha de souvenir, comprar sua ema (plaquinha de madeira) e pendurar lá. Acender incenso também é uma forma de agradecimento.

Lojinha de souvenir no Santuário Meiji
Plaquinhas de madeira (ema) com mensagens de agradecimento
Uma das belas construções do templo
    • Rua Takeshita – aproveitamos que estávamos em Harajuku para visitar a famosa rua Takeshita, famosa por ser muito movimentada e pelas pessoas vestidas como nos desenhos animados (cos players). A primeira imagem que tivemos foi de um “mar de guarda-chuvas” em meio àquela estreita rua cheia de letreiros luminosos! Não conseguimos passar muito tempo por lá, pois não estava nada legal ficar esbarrando o tempo todo nos guarda-chuvas do povo.  Mas deu para entrar em algumas lojinhas e encontramos uma japonesinha com look típico da cultura pop do país, com seus cabelos azuis. Infelizmente não achamos nenhum cos player.
A movimentada e colorida rua Takeshita
Japonesa com look colorido, bem típico do bairro de Harajuku
    • Cruzamento em Shibuya – não tem como ir a Tóquio e não fazer a travessia do cruzamento mais famoso do mundo. E o porquê dessa fama?! Simplesmente pela dimensão, já que é o maior cruzamento e faixa de pedestre do país, e pela quantidade de pessoas que se aglomeram para cruzá-lo. Graças à educação dos japoneses, essa travessia ocorre tranquilamente. Existem vários pontos para observar o cruzamento do alto, como, por exemplo, o primeiro andar do Starbucks e um dos andares superiores da estação Shibuya.
Maior travessia de pedestres do mundo que fica em Shibuya
Esperando para atravessar o famoso cruzamento em Shibuya
    • Estátua do Hachiko – bem pertinho do cruzamento e da estação de Shibuya está a estátua do cachorrinho Hachiko, fiel companheiro que ficou mundialmente famoso com o filme “Sempre ao seu lado” com Richard Gere.
Achamos o Hachiko!
    • Tokyo Station – as estações de trem e de metrô de Tóquio por si já são atrações turísticas pela grandiosidade e pela variedade de serviços (parecem shopping centers). Mas devemos destacar  a Estação Tóquio, que fica no bairro Marunouchi,  e é imensa! Nos seus 180 mil metros quadrados, abriga 28 plataformas por onde circulam cerca de 450 mil passageiros. É de fundamental importância para o sistema de transporte da cidade e do país, já que abriga também linhas da JR (Japan Railway). Sua fachada de tijolinhos é um espetáculo a parte!
Estação de Tóquio
    • Palácio Imperial do Japão – em poucos minutos de caminhada desde a estação de Tóquio, percorrendo as ruas por entre os modernos prédios desse bairro de negócios que é Marunouchi, chegamos ao Palácio Imperial do Japão, residencial oficial do imperador do país. Por isso é uma área com um rigoroso controle de acesso. A visitação estava permitida e era gratuita, mas somente das 9:30 às 11:30 pela manhã ou a tarde das 13:00 às 15:00 e por ordem de chegada. Não estávamos disposta a enfrentar a fila e resolvemos explorar os jardins do entorno.
Entrada principal do Palácio Imperial do Japão

O Palácio, assim como o seu entorno, foi parcialmente destruído pelas bombas da 2ª Guerra Mundial, tendo que ser renovado. Achei muito legal o passeio pelos jardins!

Percorri a parte leste onde ficam as ruínas do antigo Castelo Edo, rodeado por um fosso imenso cheio de água. A visitação também é permitida em determinados dias, mas preferi ficar pelos jardins mesmo.

Ruínas do antigo Castelo Edo

Passeando pelos jardins do Palácio Imperial
    • Asakusa – é um bairro, originalmente da periferia de Tóquio, que mantém as tradições e a arquitetura do Japão antigo.  Adorei esse lugar, pois sem muitos deslocamentos, conseguimos visitar um templo maravilhoso, o Sensoji, fazer comprinhas de souvenir na imensidão de lojinhas na rua Nakamise, provar alguns quitutes típicos e degustar um delicioso almoço japonês! Tudo que eu queria!

A visita já começa passando por um belo e imponente cartão postal: a gigantesca lanterna vermelha do portal de entrada, o Kaminarimon, protegido por duas gigantescas estátuas de guerreiros em madeira.

Kaminarimon, portal de entrada para Asakusa
Um dos guerreiros do portal
A famosa lanterna vermelha do portal de entrada
A movimentada rua Nakamise
Explorando as lojinhas da rua Nakamise
Loja de souvenir japonês

Entre as lojinhas de souvenir encontramos quiosques vendendo deliciosos bolinhos típicos com recheios diversos. É o “alfajor” deles. Infelizmente, não encontrei o que buscava, com recheio de chocolate, como o que provei em Hiroshima. Mas provei um com recheio de feijão japonês feito na hora e estava muito bom também! O legal é que a preparação é feita para todos verem.

Produção de bolinhos
Deliciosos bolinhos recheados
vista para a Tokyo Skytree

 

Ao final da rua Nakamise, após passar por mais um portal, este com três gigantes lanternas, chegamos ao templo budista Sensoji.

Portal para o Templo Sensoji

O templo é bastante imponente, com um caldeirão de incenso para purificação em sua frente, e com um altar belíssimo repleto de imagens douradas. Se não souber como agir dentro do templo, não se preocupe, basta ver com os demais fazem!

Templo Sensoji
Caldeirão de incenso para purificação
Entrada do templo Sensoji
Já dentro do templo, hora de agradecer!
Altar do templo Sensoji

Ao redor do templo principal  existem outros, com destaque para a Torre do Asakusa, um pagode de quatro andares belíssimo!

Torre do Asakusa

Têm ainda umas casinhas menores com espaços destinados a colocar mensagens de agradecimento, muito comuns nos templos japoneses.

Mensagens de agradecimento
Painel com garrafas de saquê
Fotinha com uma japinha vestida de gueixa!

Vale a pena reservar um dia todo para passear por Asakusa, para dar tempo de se perder por suas ruazinhas. As paralelas à rua Nakamise são repletas de restaurantes. Foi por lá que andamos em busca de um lugar para almoçar. Como os letreiros dos estabelecimentos eram todos escritos em japonês, a tarefa não foi fácil. Mas olhando pelas vitrines achamos um que tinha uma cara ótima e não foi só a cara, pois a comida estava ótima e com um preço bem justo (mais detalhes na parte dos restaurantes ao final do post).

Rua típica de Asakusa
    • Toho Building – é um complexo de cinemas no bairro de Shinjuku que atrai turistas por ter uma cabeça do Godzila em seu topo. Achei bem legal percorrer as “ruelas” do bairro atrás desse personagem. Depois ainda passeamos pelos bequinhos de Kabuchiko com seus letreiros coloridos.
Godzila no Toho Building
Passeando por Kabukicho
    • Prédio do Governo Metropolitano de Tóquio (City Hall) – composto por duas torres gigantescas, a Norte e a Sul, cada uma com observatórios gratuitos. Fomos para o da torre Norte, que fica no 45º andar. A vista é bonita, mas o tempo nublado atrapalhou um pouco e não conseguimos ver o Fuji, por exemplo. No subsolo do próprio prédio, pegamos o metrô para o Mercado de Peixes Tsukiji.
Prédio do Governo Metropolitano de Tóquio
Vista do prédio do Governo Metropolitano de Tóquio
    • Mercado de Peixes Tsukiji –  quando li sobre Tóquio, um dos principais destaques era o mercado de peixe, famoso pelos leilões de pescado. Por isso não queria sair de lá sem conhecê-lo, mas não conseguimos ir no horário principal, que é de madrugada. Já estava tarde, mas arriscamos mesmo assim. Chegamos quando estava tudo fechando e só deu para ver a a parte do atacado, mas só tinham os caminhões e os trabalhadores, os produtos não estavam mais ali. Dei uma olhada nos restaurantes para comer sushi, mas além de não ter muito tempo, achei tudo muito caro. A indicação de restaurante que tinha, era na parte externa do mercado que já estava fechada. Depois descobri que eles estavam mudando o mercado para um novo endereço. Mais um motivo para voltar a Tóquio!
Alguns restaurantes do Mercado de Peixes

 

  • COMPRAS

Nossa moeda é bastante desvalorizada quando comparada ao Yen, por isso o Japão está bem longe de ser o paraíso das compras para brasileiros. Apesar disso, muitos “brasucas” enlouquecem nas lojas de eletrônicos, como a Bic Câmera, por exemplo. São várias delas espalhadas pelo país. Fui a uma que fica em Shibuya. Fiquei impressionada com a quantidade de produtos e com a poluição visual com o excesso de informações na loja! Confesso que fiquei confusa! Mas a loja é bastante procurada pelos amantes da fotografia. Não consegui comprar nada lá!

Loja de eletrônico em Tóquio

Fomos conhecer o Shopping Shibuya 109, que foi indicado como um ótimo lugar para comprar roupas. São várias lojas distribuídas pelos seus andares, mas também não encontramos nada que valesse a pena comprar.

A única loja onde achamos preços mais acessíveis foi a Uniqlo, uma loja de departamentos originalmente japonesa, mas que já pode ser encontrada em outros países do mundo, como no Canadá, por exemplo. A que fica em Shibuya é Tax Free, o que deixa os preços ainda mais convidativos. Garantimos nossos casacos ultra light, perfeitos para viagens, pois aquecem bem e são leves e pouco volumosos, ocupando um espaço mínimo na mala! A diferença de preço em relação ao Brasil é absurda! Muito mais barato!

O bairro de Shinjuku é repleto de lojas e, se procurar bem, consegue encontrar boas pechinchas!

 

  • ALIMENTAÇÃO

Um grande desafio no Japão é a alimentação e não é pela falta de variedade ou pela qualidade da comida, pelo contrário, fiquei impressionada com a diversidade da culinária japonesa e com o sabor! Gostei de tudo que comi! Mas a dificuldade é saber o que se está comendo.

Ainda bem que eles têm consciência da dificuldade dos ocidentais e, na maioria dos restaurantes, os cardápios possuem fotos dos pratos. Em alguns, inclusive, existem maquetes para saber o que vamos comer e a quantidade. Achei isso genial!

Nossa primeira experiência em Tóquio foi em um restaurante onde escolhíamos a comida na máquina e pagávamos nela mesmo. Logo em seguida uma pessoa trazia nossos pratos até a nossa mesa. Achei mega prático!

Máquina de comida

Almoço escolhido na máquina

Outra experiência gastronômica marcante foi o almoço no bairro de Asakusa. Após um tempão procurando um lugar para comer em uma rua repleta de restaurantes com letreiros em japonês, resolvemos entrar em um deles e fomos surpreendidas com uma deliciosa refeição, com destaque para a tempurá de camarão.

Almoço bem japonês
Caldinho com soba e tempura de camarão com arroz
Não entendi foi nada na conta!

Quando falo em qualidade não é apenas o sabor, mas também o bem que trás para a saúde. Normalmente, quando viajo fico bem inchada, pois acabo comendo muito carboidrato, derivados de trigo e outros alimentos que retém líquido. Mas no Japão isso não aconteceu. As comidas são muito saudáveis, afinal eles prezam muito pela qualidade de vida!

Em relação ao preço, não achei absurdamente caro como imaginava. É possível comer bem a um preço justo.

 

  • TRANSPORTE

O sistema de transporte público no Japão é incrível! Difícil de entender, no começo, mas depois descobrimos a maravilha que é. Mas tudo tem um preço! O transporte foi o que achei mais caro na viagem toda. Mas depois publicarei um post com mais detalhes sobre isso.

Em Tóquio usamos, basicamente o metrô, mas arriscamos pegar um ônibus em Shibuya e não foi nada complicado. Na maioria dos trajetos tivemos que comprar o bilhete avulso, pois nosso passe JR não servia.

Ônibus em Tóquio

Interior de ônibus em TóquioMas conseguimos utilizar nosso passe para ir para o aeroporto, saindo da estação de Tóquio de Yamanote (uma das linhas mais movimentadas de trem), baldeando para o Monorail até o Terminal Internacional do Aeroporto de Haneda. De Monorail chegamos em 15min ao aeroporto!

  • HOSPEDAGEM

Para fugir dos elevados preços das acomodações em Tóquio e aproveitar para ter uma nova experiência, optamos por nos hospedar em cabines e amamos! Até minha mãe, que é bastante conservadora em relação à hospedagem, adorou essa nova forma de hotel.

    • Centurion Hotel Cabin Tower em Asakusa – suas cabines são confortáveis e eles oferecem um café da manhã continental bem legal. Fica em uma área agradável, mas distante dos atrativos turísticos. Nada que uma viagem de metrô não resolva!
Cabines do Centurion Hotel Cabin Tower
Café da manhã no Centurion Hotel Cabin Tower
    • Shinjuku Kuyakusho-mae Capsule Hotel – esse foi uma verdadeira surpresa! Fiz a reserva de última hora quando perdemos o trem para Kyoto. Nossas malas estavam na estação de Shinjuku e queríamos algo lá por perto, pois seria só um pernoite. Achei ele no Agoda. Ele ocupa alguns andares de um prédio comercial. Os andares são separados por sexo. Na recepção, você deixa sua mala e sapatos em um armário e pega seu kit com toalhas, lençóis, pijamas e chinelos. Já achei isso bem legal!
Cabines do Hotel Cabine em Shinjuku

Mas fiquei mais impressionada com o banheiro compartilhado do andar das mulheres. Um luxo e mega limpo! Além disso, ele é equipado com tudo que você precisa: escova de dente descartável que já vem com pasta, shampoo, condicionador, sabonete líquido, hidratante para corpo, sabão para lavar o rosto e secadores de cabelo. Detalhe! Os cosméticos eram todos de primeira, da marca Shiseido!

O maravilhoso e equipado banheiro do Hotel Cabine em Shinjuku
Interior da cabine

As cabines eram bem confortáveis também e com privacidade! Apesar de o andar possuir cerca de 100 cabines, era tudo muito organizado!

Gostamos tanto que voltamos para mais uma diária! Ah! Esqueci de avisar que é um hotel para pernoite. Caso você queira ficar mais de uma noite, tem que fazer check out e check in todo dia e, provavelmente, cada dia ficará em uma cabine diferente.

Desculpem-me se o post ficou muito longo, mas é que visitar Tóquio, ainda mais com pouco tempo (tivemos dois dias e meio), é algo muito intenso! Fizemos bastante coisas, mas ainda têm vários lugares para visitar e algumas experiências para vivenciar não só na capital japonesa, mas pelas outras cidades do país também. Portanto, o Japão, com certeza, volta para lista de lugares para visitar!

Explorando Saitama (Japão) e seu entorno

Vendo o Monte Fuji (Japão) um pouco mais de perto

A exuberante Quioto (Japão)!

Passando um dia na emocionante Hiroshima (Japão)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.